CuriosidadesGrécia

O mito grego que inspirou Shakespeare a escrever Romeu e Julieta

O mito grego que inspirou Shakespeare a escrever Romeu e Julieta
By     -   On

Todos nesta vida já ouviram pelo menos uma vez sobre Shakespeare, que escreveu uma das mais famosas novelas de todos os tempos, Romeu e Julieta. O que muitos não sabem é que a inspiração para o famoso poeta inglês foi um mito romano que tem origem na mitologia grega.

O que queremos dizer exatamente? Que a obra de Shakespeare foi inspirada no mito de Píramo e Tisbe.

O mito que inspirou Shakespeare a escrever o tragedia Romeu e Julieta

Uma vez, na Ásia Menor, vivia um belo jovem chamado Píramo. Como jovem que era, rapidamente se apaixonou por Tisbe, a filha do deus do rio Asopus. Píramo a perseguiu constantemente para torná-la sua e logo conseguiu se deitar com ela e deixá-la grávida.

Nesta versão inicial da história, Tisbe não correspondia aos seus sentimentos e, assim, apesar da gravidez, tudo o que ela tinha em mente era se afastar dele, perdida em sua tristeza. Assim, ela implorou aos deuses que a ajudassem.

Eles decidiram que precisavam intervir e, em um momento de imaginação suficiente, transformaram Tisbe em uma fonte e Píramo em um rio. As águas dela corriam e se uniam às dele, ambos desaguando no mar. Existem outras teorias segundo as quais Tisbe se suicida e, em seguida, Píramo também, mas essa é a história principal.

Leia mais: Dieta da Grécia Antiga: 8 frutas que os gregos antigos comiam

Como esse mito inspirou os romanos?

Mais tarde, Ovídio adotou esse mito para criar uma obra que permaneceria indelével na história.

O mito de Píramo e Tisbe era popular entre os romanos, especialmente entre os intelectuais da época. Sob essa ótica, não é surpreendente que Ovídio descobriu e utilizou esse mito.

Na sua coleção intitulada ‘Metamorfoses’, Píramo e Tisbe são dois jovens que moram em duas casas vizinhas, tão próximas que apenas uma parede os separa. Tudo isso em Babilônia, na época em que Semíramis era rainha.

Leia mais: 9 nomes de cachorros inspirados na mitologia grega

O mito de Ovídio

Os dois jovens estavam loucamente apaixonados e viviam um para o outro. No entanto, como sempre acontece nessas situações míticas, seus pais não se importavam com seus sentimentos e não lhes permitiam casar. E não só isso, mas também os proibiam até de se olharem ou se comunicarem na rua.

Os dois apaixonados descobriram uma maneira alternativa de se comunicar, sussurrando através de uma fenda na parede que seus pais ignoravam. A fenda era uma maneira de conversarem e trocarem ideias, mas isso não era suficiente para completar seu relacionamento. Não demorou muito até que concordassem em se encontrar fora de casa, e não apenas nas ruas da cidade, mas fora das enormes muralhas da cidade. Assim, os dois jovens concordaram em se encontrar em uma colina alta, no túmulo de Ninus (Fundador de Nínive, antiga capital da Assíria), sob a sombra de uma amoreira frondosa.

À medida que as horas e os dias passavam, e chegou a hora de começarem a se encontrar, Tisbe chegou primeiro à colina alta e olhou para a cidade do alto. Tisbe chegou primeiro lá, mas se escondeu porque viu uma leoa que tinha ido beber na fonte após comer. No entanto, o véu de Tisbe caiu no chão e a leoa brincou com ele e o sujou com sua boca sangrenta.

Enquanto isso, Píramo chegou, viu as pegadas da leoa e o véu ensanguentado, e pensou que Tisbe tinha sido devorada pelo leão. Cheio de desespero e culpa por ter concordado em se encontrar em um lugar perigoso, ele se suicidou com sua espada. Tisbe, quando saiu de seu esconderijo e viu Píramo morto, também se suicidou com a mesma espada.

‘Romeu e Julieta’

Ésta é uma das mais célebres tragédias de William Shakespeare, uma história de amor atemporal ambientada na cidade italiana de Verona. O enredo gira em torno de dois jovens, Romeu Montecchio e Julieta Capuleto, cujas famílias são inimigas mortais. Contra todas as probabilidades, Romeu e Julieta se apaixonam perdidamente, mas o ódio entre suas famílias cria um pano de fundo trágico para o seu romance.

Numa série de eventos infelizes e mal-entendidos, o destino dos amantes se desenrola tragicamente. A obra explora temas como amor, ódio, destino e a ironia da morte como unificadora dos amantes, e permanece até hoje como um símbolo do amor verdadeiro e da tragédia inerente à sua expressão em um mundo hostil.

Konstantinos P.

Grego, morou na Grécia por quase toda a sua vida e em Londres por 3 anos. Trabalhou como Bar Manager, Bartender e Barista em Londres e na Grécia. Além de ter trabalhado nas melhores cozinhas e bares de Londres e da Grécia. Participou de renomados cursos na área e compartilhou o seu conhecimento com seus alunos pela Europa. Por ser apaixonado pelo seu país, encontrou por meio da escrita uma forma de compartilhar com os brasileiros o seu conhecimento sobre viagens, história, cultura, mitologia grega e culinária geral, trazendo o melhor da Grécia para vocês.