Grécia

Descubra os mistérios de Morfeu: o deus dos sonhos na mitologia grega

Descubra os mistérios de Morfeu: o deus dos sonhos na mitologia grega
By     -   On

Aproveitando a série “The Sandman” da Netflix, nos perguntamos quem era Morfeu na mitologia grega e quanto sabemos sobre ele. Por isso, decidimos pesquisar livros antigos gregos e hoje vamos apresentar um dos personagens mais importantes da mitologia grega.

Na mitologia greco-romana, com o nome de Morfeu (em grego antigo Μορφεύς, que significa “aquele que dá forma”), ele é conhecido como um dos mil filhos de Hipnos, ou um de seus irmãos.

Leia mais: O carro da Toyota que recebeu seu nome da mitologia grega, um grego conta

Os pais de Morfeu segundo Hesíodo

Segundo Hesíodo, Nix era tanto mãe quanto avó de Morfeu. Outra versão apresenta Pasiteia como sua mãe.

De acordo com Hesíodo, Hipnos e seu irmão gêmeo, Tânato, eram deuses temíveis que habitavam o Tártaro, onde o Sol não os alcançava. Enquanto Hipnos vagava silenciosamente por terra e mar, sendo gentil com os humanos, Tânato era um deus cruel e impiedoso, odiado por todos.

Morfeu era o deus dos sonhos

Morfeu era considerado o deus dos sonhos, especialmente na tradição romana e na posterior tradição ocidental. Desde a Idade Média, ele começou a ser referido como o deus dos sonhos em geral.

Nas “Metamorfoses” de Ovídio (um dos maiores poetas do século de ouro da literatura latina, o século de Augusto), Morfeu aparece nos sonhos em forma humana. Ele tinha a missão de assumir várias formas humanas.

Leia mais: Brasil vs Grécia: hábitos gregos à mesa que irão te surpreender

Podia imitar qualquer personagem

Segundo Ovídio, “ninguém é mais hábil do que ele em representar o andar, as características e a fala dos humanos, bem como as roupas e os modos usuais de cada um que ele representa”.

Qual era sua aparência?

Morfeu, assim como as outras divindades do sono e dos sonhos, tinha grandes asas que se moviam silenciosamente. Suas asas eram fortes e resistentes, permitindo que ele viajasse até os confins da Terra.

O nome Morfeu vem da palavra grega “morfo” (forma)

Morfeu tinha a habilidade de intervir nos sonhos ou visões das pessoas, moldando-os e dando forma aos seres que os habitavam. Sua ação era principal, mas não exclusiva. Segundo Ovídio, em um sonho também intervinham os outros filhos de Hipnos, Fobitor, Fantaso e Ícelos.

Fobitor, conhecido também como pesadelo, assumia a forma de monstros ou animais assustadores, Fantaso, não tinha uma forma definida, era a imaginação, enquanto Ícelos tornava os sonhos mais realistas. Morfeu era o mais poderoso entre eles, sendo o único deus capaz de intervir nos sonhos dos reis e heróis, transmitindo mensagens dos deuses aos mortais na forma de sonhos.

Vale notar que os nomes dos irmãos de Morfeu não aparecem em nenhum texto antes de Ovídio, por isso supõe-se que podem ter sido criação dele. O autor Edward Tripp chama essas figuras de “conceitos literários, não míticos”. No entanto, o escritor Alan Griffin sugere que essa divisão das formas dos sonhos entre Morfeu e seus irmãos pode ter origem grega.

Leia mais: O mito grego que inspirou Shakespeare a escrever Romeu e Julieta 

O mito de Alcíone e Ceix que deu origem aos “dias de alcíone”

Na literatura clássica, Morfeu aparece nas “Metamorfoses” de Ovídio, na história de Alcíone e Ceix.

Na mitologia grega, Alcíone era esposa de Ceix e filha de vendo Éolo. Ela vivia muito feliz com Ceix e o amor deles era um exemplo para todos. Um dia, Ceix saiu ao mar para pescar. Alcíone implorou para que ele não fosse, pois tinha um mau pressentimento, mas ele não a ouviu e realmente se levantaram fortes ventos que afundaram seu navio.

Então, Morfeu assume a forma de Ceix e aparece no sonho de Alcíone, expressando sua tristeza. Ao despertar, ela encontra o corpo de seu marido na praia. Desesperada, ela se joga ao mar e tira a própria vida.

Os deuses, porém, sentiram pena deles e os transformaram em pássaros, os conhecidos alcíones. Como os alcíones põem ovos em janeiro em ninhos entre as rochas, Zeus permitiu que o sol brilhasse intensamente e aquecesse os alcíones até que seus ovos chocassem.

Por isso, esses poucos dias quentes de janeiro são chamados de “dias de alcíone”.

Leia mais: Obra dos deuses! Grécia tem dias de “verão” durante inverno – grego explica!

Konstantinos P.

Grego, morou na Grécia por quase toda a sua vida e em Londres por 3 anos. Trabalhou como Bar Manager, Bartender e Barista em Londres e na Grécia. Além de ter trabalhado nas melhores cozinhas e bares de Londres e da Grécia. Participou de renomados cursos na área e compartilhou o seu conhecimento com seus alunos pela Europa. Por ser apaixonado pelo seu país, encontrou por meio da escrita uma forma de compartilhar com os brasileiros o seu conhecimento sobre viagens, história, cultura, mitologia grega e culinária geral, trazendo o melhor da Grécia para vocês.