Grécia

A verdadeira história da escultura grega mais famosa no Louvre

A verdadeira história da escultura grega mais famosa no Louvre
By     -   On

Nike, a personificação da vitória na antiga religião e mitologia grega, era filha do titã Pallas e da deusa Styx. Frequentemente retratada na arte com asas e segurando uma coroa ou ramo de palmeira, ela se tornou um tema popular e inspirador. Entre as representações mais célebres da deusa está a Vitória de Samotrácia, um achado arqueológico do século II a.C. esculpido em mármore de Paros. Descoberta na ilha de Samotrácia em 1863, a obra-prima helenística exibe a Nike em uma pose dinâmica e poderosa, pousando na proa de um navio.

Embora a estátua não tenha a cabeça e o braço esquerdo, ainda é considerada um dos trabalhos mais expressivos da história da arte. Os restauradores também recuperaram parcialmente sua base original, composta por partes da proa de um navio.

A essência da perfeição na arte grega

A Vitória de Samotrácia transcende sua incompletude e se destaca como um exemplo de perfeição artística. Assim, a deusa é representada como uma figura alada descendo do céu para anunciar a vitória a uma frota vitoriosa. A escultura captura o momento exato do pouso da Nike na proa do navio, enquanto enfrenta o vento forte que agita suas vestes.

Esculpida em mármore de Paros e com tamanho superior ao natural, a estátua impressiona pela maestria com que o escultor representou o corpo feminino. O tecido drapeado, ora colado ao corpo, ora esvoaçando ao vento, cria uma sensação de dinamismo e fluidez.

Os escultores esculpiram as asas da deusa com meticulosa atenção aos detalhes, prontas para alçá-la novamente ao céu, preservando sua beleza mesmo após séculos.

Leia mais: A verdadeira e trágica história da queda de Ícaro, um grego conta

A história por trás da obra

A estátua adornava o grande santuário de Samotrácia, dedicado aos deuses Cabiros, protetores dos marinheiros e guerreiros. Assim, a deusa Nike simbolizava a vitória naval e a proteção divina concedida aos combatentes.

Controvérsias e debates sobre a vitória de Samotrácia

O processo de restauração da obra no século XX gerou debate entre especialistas. A remoção da pátina original, que conferia um tom marrom-acinzentado à estátua, revelou o mármore branco puro, alterando significativamente sua aparência. Essa transformação custou quase 4 milhões.

Alguns argumentam que a limpeza excessiva descaracterizou a obra, enquanto outros defendem a recuperação do estado original do mármore. A discussão sobre a estética e a preservação da Vitória de Samotrácia permanece viva até hoje.

No entanto, essa obra, hoje, atrai a maioria das visitantes no museu de Louvre e considerado a melhor obra do mundo ocidental.

Konstantinos P.

Grego, morou na Grécia por quase toda a sua vida e em Londres por 3 anos. Trabalhou como Bar Manager, Bartender e Barista em Londres e na Grécia. Além de ter trabalhado nas melhores cozinhas e bares de Londres e da Grécia. Participou de renomados cursos na área e compartilhou o seu conhecimento com seus alunos pela Europa. Por ser apaixonado pelo seu país, encontrou por meio da escrita uma forma de compartilhar com os brasileiros o seu conhecimento sobre viagens, história, cultura, mitologia grega e culinária geral, trazendo o melhor da Grécia para vocês.